0 Feliz 2012!

sábado, 31 de dezembro de 2011
"Te desejo uma fé enorme.

Em qualquer coisa, não importa o quê.
Desejo esperanças novinhas em folha, todos os dias.
Tomara que a gente não desista de ser quem é por nada nem ninguém deste mundo.
Que a gente reconheça o poder do outro sem esquecer do nosso.
Que as mentiras alheias não confundam as nossas verdades, mesmo que as mentiras e as verdades sejam impermanentes.
Que friagem nenhuma seja capaz de encabular o nosso calor mais bonito.
Que, mesmo quando estivermos doendo, não percamos de vista nem de sonho a ideia da alegria.
Tomara que apesar dos apesares todos, a gente continue tendo valentia suficiente para não abrir mão de se sentir feliz.
As coisas vão dar certo.
Vai ter amor, vai ter fé, vai ter paz – se não tiver, a gente inventa.
Te quero ver feliz, te quero ver sem melancolia nenhuma.
Certo, muitas ilusões dançaram.
Mas eu me recuso a descrer absolutamente de tudo, eu faço força para manter algumas esperanças acesas, como velas.
Que 2012 seja doce. Repito sete vezes para dar sorte: que seja doce que seja doce que seja doce e assim por diante.
Que seja bom o que vier, pra você."

(Dizem que é do Caio Fernando Abreu, se é mesmo, eu não sei... rs)

 
 
 
Blogueiros,
 
Inicialmente quero agradecer a DEUS por mais um ano que se passou.
 
2011 foi um ano difícil, tempo de crescimento e amadurecimento, mas também foi palco de momentos de felicidade, glória e regozijo únicos!
 
Agradeço aos AMIGOS que fiz, os quais me deram forças e seguraram a minha mão, me incentivando a continuar.
 
Agradeço a Dra. JOLIE, quem desempenhou um papel fundamental na minha vida em 2011.
 
E, não menos importante, agradeço a CADA UM DE VOCÊS, seguidores, blogueiros, leitores, curiosos, que estão sempre por aqui, que me leem, me seguem, me ajudam , torçem por mim, pela minha felicidade, assim como torço pela de vcs.
 
O meu MUITO OBRIGADO!
 
Que o ano vindouro seja, em todas as áreas, melhor que o presente.
Me quero ver feliz, me quero ver sem melancolia nenhuma. Quero, da mesma forma, vê-los felizes e sem melancolia alguma!
 
Tudo, mas tudo de bom pra todos nós!
 
Bjo, bjo e Feliz Ano Novo galera!!!

0 Essas coisas levam tempo...

terça-feira, 27 de dezembro de 2011
“- O que você tem que está toda ensimesmada? - pergunta ele com seu sotaque arrastado, com um palito na boca, como de hábito.

- Não pergunte - respondo, mas em seguida começo a falar e lhe conto tudinho, concluindo com: - E o pior de tudo é que não consigo deixar de pensar obsessivamente no David. Pensei que tivesse esquecido ele, mas está tudo voltando.

- Espere mais seis meses, vai se sentir melhor - diz ele.

- Eu já esperei 12 meses, Richard.

- Então espere mais seis. Vá somando mais seis meses até esquecer. Essas coisas levam tempo.

Solto o ar pelo nariz com força, como um touro.

- Escute aqui, Sacolão — diz Richard. — Algum dia você vai olhar para trás, para este momento da sua vida, e pensar que época deliciosa de luto ele foi. Vai ver que estava lamentando a sua perda, e que o seu coração estava despedaçado, mas que a sua vida estava mudando, e que você estava no melhor lugar possível do mundo para fazer isso: em um lindo lugar de adoração, cercada de graça. Aproveite esse tempo, aproveite cada minuto.”

(“Comer, rezar, amar”, Elizabeth Gilbert)

Blogueiros queridos,

Esse final de ano está mexendo demais com minha cabeça.

Procurando um arquivo no note encontrei, meio por acaso, algumas fotos que havia “camuflado” em uma pasta, referentes ao antigo relacionamento. Resolvi abrir e ver o que havia ali, e tive uma agradável surpresa.

Vi fotos de momentos, viagens, aniversários e tantas outras passagens que marcaram o namoro e descobri...
Descobri que estou curada.
Curada das feridas outrora abertas, fruto dessa relação desmedida e obsessiva.

Eu o perdoei. (Não que para ele valha alguma coisa ou faça diferença. Foda-se. Para mim vale). E mais formidável que isso: eu também ME perdoei.

Passou 1, 2, 3... 9 meses até que eu pudesse, enfim, constatar o óbvio: Acabou. Doeu. Muito. Mas, passou. Superei. Estou livre.

Hoje entendo, vejo e vivo o que Richard disse a Liz.

“Algum dia você vai olhar para trás, para este momento da sua vida, e pensar que época deliciosa de luto ele foi. Vai ver que estava lamentando a sua perda, e que o seu coração estava despedaçado, mas que a sua vida estava mudando, e que você estava no melhor lugar possível do mundo para fazer isso: em um lindo lugar de adoração, cercada de graça. Aproveite esse tempo, aproveite cada minuto.” (sic).

Minha vida mudou e continuará mudando.
Não estive estática e inerte a tudo o que me ocorreu. Pelo contrário, eu batalhei, pelejei e venci.
Agora, estou aproveitando esse tempo, cada minuto, cada segundo dele.

Bjo, bjo

0 E mais um ciclo se fecha... Dra. Jolie!

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011
“Mas não sei se tenho muita escolha. Procurei freneticamente o contentamento durante tantos anos, de tantas maneiras, e todas essas aquisições e realizações - elas no fim acabam com a sua energia. Se você correr atrás da vida com sofreguidão demais, ela leva à morte.

O tempo - quando perseguido como um bandido - se comporta como um bandido; está sempre uma fronteira ou uma sala na sua frente, mudando de nome e de cor de cabelo para enganar você, saindo pela porta dos fundos do hotel no mesmo instante em que você chega ao lobby com seu mais recente mandado de busca, deixando apenas um cigarro aceso no cinzeiro como provocação. Em determinado momento, você precisa parar, porque ele não vai parar. Você precisa reconhecer que não vai pegá-lo. Que a idéia não é pegá-lo. Em determinado momento, como Richard não pára de me repetir, você precisa relaxar, ficar sentado e deixar o contentamento vir até você.


Relaxar, obviamente, é uma empreitada assustadora para aqueles de nós que acreditam que o mundo só gira porque tem uma alavanca em cima que nós mesmos giramos e que, se largássemos essa alavanca por um instante que fosse, bem — seria o fim do universo. Mas tente largar, Sacolão. Essa é a mensagem que estou recebendo. Fique sentada bem quietinha agora e ponha um fim à sua participação incessante. Veja o que acontece. No final das contas, os pássaros não despencam mortos do céu no meio do vôo. As árvores não murcham nem morrem, os rios não se enchem de sangue rubro. A vida continua. Até mesmo o serviço de correio italiano prossegue na sua marcha trôpega, tocando sua vida sem você — o que lhe dá tanta certeza de que o seu microgerenciamento de cada instante deste mundo é tão essencial? Por que você não esquece isso?

Ouço essa argumentação e ela me atrai. Intelectualmente, acredito nela. Acredito mesmo. Mas, em seguida, eu me pergunto - com todo meu afã incansável, com todo meu fervor exaltado e com toda essa minha natureza estupidamente faminta: o que devo fazer com minha energia, então? A resposta também chega: Procure Deus, sugere minha Guru. Procure Deus como um homem com a cabeça em chamas procura por água.

(Mais um trecho do livro "Comer, rezar, amar" de Elizabeth Gilbert)



Boa noite Blogueiros queridos,

Segunda-feira, 26/12: mais uma, dentre tantas datas marcantes no ano de 2011.

Hoje minha terapia teve fim.

Como me perguntaram mais cedo: "vc teve alta?" 
- Sim, respondi. Eu tive. Rsrsrs.

Confesso que estou e, contraditoriamente não estou, feliz com isso.

Me acostumei, me apeguei, aprendi a amar, de fato, a querida e maravilhosa Dra. Jolie - minha psico, o anjo que Deus colocou no meu caminho para me auxiliar nessa travessia tortuosa e surpreendente.


Nesses 9 meses de terapia pude aprender a enxergar a vida, a minha própria vida, com outros olhos.

Hoje, no encerramento desse processo analítico de auto-conhecimento, de valorização do "eu", de redescoberta de "quem sou", consegui elaborar e reconhecer pontos importantes e específicos dessa trajetória.

Ao contrário do que proferia aos quatro ventos, minha vida em 2011 não foi um caos. Claro, tive muitos altos e baixos, momentos de dor e sofrimento atroz, porém, também experimentei e vivenciei o sentimento de alegria e júbilo únicos.

Quis compartilhar esse texto com vocês porquanto me vejo refletida nele.
Em 2011, talvez, mais do que nunca, busquei freneticamente o contentamento, de várias maneiras, em inúmeros lugares e em muitas pessoas... contudo, todas essas aquisições e realizações, no fim, acabaram com minha energia.

Chego ao final desse ano estafada, exausta, sobrecarregada, mas em PAZ, comigo e com Deus.

Paz!

Quanto tempo eu a procurei, sem saber que estava todo o tempo ao alcance das minhas mãos...
E não somente a paz, mas a calmaria, o contentamento, o bem estar de se encontrar próximo, protegido e amado por aquele que nunca nos deixa sós.

Deus.

Não dá para maximizar constantemente os problemas.
Não dá para ver a vida de forma tão pessimista e sem esperança.
Não dá para se perder no sentimento de auto-comiseração e afundar, junto dele.

Não dá para fechar os olhos para tanta coisa boa que aconteceu e que continuará acontecendo.
Não dá para desprezar as chances de viver algo novo, pelo simples fato de temer o sofrimento outra vez.
Não dá para deixar de sorrir, sonhar, desejar, crer numa vida melhor.

Não dá pra parar no tempo.
O tempo não para, já cantava Cazuza, e eu, vou avançar. Ou melhor, continuarei.

Mais um ano que se encerra; muitas coisas ficarão para trás, outras para trás já ficaram.

2012 está às portas, como vc irá encará-lo?

Eu, por minha vez, vou de peito aberto, sorriso maroto no rosto e a esperança calcada aos pés do meu Amor Maior...

Jesus.

Bjo, bjo!

0 Intermináveis ondas de transformação

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011
“Considero muito reconfortante a resistência do Augusteum, o fato de essa estrutura ter tido uma história tão atribulada e, mesmo assim, ter sempre conseguido se ajustar à loucura específica de cada época. Para mim, o Augusteum é como alguém que levou uma vida totalmente louca - alguém que talvez tenha começado como dona de casa, depois inesperadamente ficado viúva, em seguida virado dançarina para ganhar dinheiro, de alguma forma tenha se tornado a primeira dentista mulher do espaço sideral, e depois tentado a sorte na política - e que, mesmo assim, conseguiu manter intacta a consciência de si próprio durante cada reviravolta.
Olho para o Augusteum e penso que, no final das contas, talvez a minha vida na verdade não tenha sido tão caótica assim. É apenas este mundo que é caótico e nos traz mudanças que ninguém poderia ter previsto. O Augusteum me alerta para eu não me apegar a nenhuma idéia inútil sobre quem sou, o que represento, a quem pertenço ou que função eu poderia ter sido criada para executar. Sim, eu ontem posso ter sido um glorioso monumento a alguém - mas amanhã posso virar um depósito de fogos de artifício. Até mesmo na Cidade Eterna, diz o silencioso Augusteum, é preciso estar preparado para tumultuosas e intermináveis ondas de transformação.”

(Texto extraído do livro Comer, rezar, amar de Elizabeth Gilbert)

Então...

O blog esteve um pouco abandonado nos últimos dias. Eu sei.
O fato é que eu, assim como o Augusteum, apesar de ainda estarmos de pé, não esperávamos algumas mudanças caóticas e inesperadas.

Foi a perda de uma pessoa muito amada, uma coluna na família, um exemplo de homem, de fé e de amor;
Foi estar diante de alguém que, pela primeira vez em muito tempo, me fez desejar namorar outra vez;
Foi encarar uma mudança radical e desesperadora na vida desregrada que andava levando...

Estar diante da morte. Estar diante do amor. Estar diante do nada e, contraditoriamente, do tudo.

2011 está quase no fim e não vejo a hora de me despedir desse ano, que considero o mais tumultuado, confuso, terrível, angustiante, desestruturado e repleto das "intermináveis ondas de transformação.”

Estou de pé, mas não me pergunte como, pois a resposta eu não sei dizer.
O que sei agora é que meu coração está atordoado com tantas ideias e metas para 2012.
O maior anseio, posso confessar, é colocar no lugar todos os conceitos, conselhos, experiências e urgências aprendidas.

Antes que o ano chegue ao seu fim, compartilharei mais algumas coisas por aqui.
 
Me desejem sorte e sabedoria. Desejo o mesmo a cada um de vocês.
 
Bjo, bjo

0 Isso lhe assusta?

segunda-feira, 28 de novembro de 2011
“Sou uma filha da natureza: quero pegar, sentir, tocar, ser. E tudo isso já faz arte de um todo, de um mistério. Sou uma só. Sou um ser. E deixo que você seja. Isso lhe assusta? Creio que sim. Mas vale a pena. Mesmo que doa. Dói só no começo.”


(Clarice Lispector)

Boa noite Blogueiros,

Depois de uma longa temporada de incertezas, dúvidas, dor e maus agouros, tomei uma importante decisão.

Acabou.

Não tenho mais tempo a perder com a infelicidade de mim mesma e, como escreveu Elizabeth Gilbert em seu maravilhoso livro “Comer, Rezar, Amar” (estou lendo agora e estou fascinada!), não dá mais para viver atada a uma obsessão amorosa, seguida da completa e implacável desvalorização de mim mesma.

Eu não preciso disso. Nunca precisei.

Estou rodeada por pessoas que realmente se importam e me amam, então, porque continuar no centro desse redemoinho sem fim?

Chega.

Nos últimos dias constatei quantas perdas reais se efetivaram na minha vida diante do medo de me envolver, incluindo vc meu bem, que me surpreendeu ao confessar a descoberta e leitura ativa do blog. Blog esse que pelo conteúdo denso, carregado e, quem sabe, sombrio e melancólico demais, o fez se afastar.

Não é a primeira vez que acontece.

Talvez, isso lhe assuste. Talvez, eu o assuste. O que, definitivamente, é uma pena.

Seja como for e independente de quem permaneça ou vá de vez, decidi ser feliz.

Mais que isso, decidi me abrir novamente ao amor - o que é um verdadeiro divisor de águas em 2011.

Abrir-me ao delírio, devaneio e frenesi materializado no envolvimento de duas pessoas desconhecidas, confusas, curiosas e desejosas pelo outro.

“O amor
Entre cinzas e arco-íris
Esplendor
Por viver as juras de satisfazer o ego mortal
Coisa pequenina
Centelha divina
Renasceu das cinzas
Onde foi ruína
Pássaro ferido
Hoje é paraíso
Luz da minha vida
Pedra de alquimia
Tudo o que eu queria
Renascer das cinzas”

(Jorge Vercillo)



Sim, renascer das cinzas.

Bjo, bjo

0 Avesso imperfeito

quinta-feira, 24 de novembro de 2011
Olá Blogueiros,

Às vezes, revendo fotos, posts, ouvindo certas canções, relembro tudo, com uma intensidade descomunal.

Como é possível suportar tanta oscilação?

O coração, definitivamente, é o órgão campeão em regeneração.

Fígado?! Que nada! Aquele que agüenta as piores dores e os momentos mais terríveis, incluindo a sucumbência das mágoas na infinidade etílica é o danado e insistente coração.

Segundo a Wikipédia, “a enciclopédia livre”, o coração é um órgão muscular oco que bombeia o sangue de forma que circule no corpo e, em nós seres humanos, esse percurso é feito em aproximadamente 50 segundos em repouso.

Neste tempo o órgão bombeia sangue suficiente a uma pressão razoável, para percorrer todo o corpo nos sentidos de ida e volta, transportando assim, oxigênio e nutrientes necessários às células que sustentam as atividades orgânicas. O coração se localiza em uma bolsa chamada caixa torácica, entre os pulmões. É um órgão muscular, pode se contrair e se relaxar.

Assim como o órgão pulsante e pujante, minha história tem sido escrita, com idas e vindas no amor, inícios nascidos no território limítrofe das sutilezas e términos contrariados. Ciclos que se fecham, todavia, sem um remate final, como pontas soltas de um bordado de avesso imperfeito.

Eu sou imperfeita.




 “No quarto, já despida sobre a cama, não conseguia adormecer. Seu corpo pesava-lhe, existia além dela mesma como um estranho. Sentia-o palpitante, aceso. Fechou a luz e os olhos, tentou fugir, dormir. Mas continuou por longas horas a perscrutar-se, a vigiar o sangue que se arrastava grosso pelas suas veias como um animal bêbedo. E a pensar. Como não se conhecia até então.”

(Clarice Lispector)

Bjo, bjo

0 A incerteza. Sempre.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011
Eu vejo o tempo passar.
Ouço música e tento me distrair, mas invariavelmente minhas dúvidas voltam a me perturbar.
Já não sei o que quero, ou o que fazer da minha vida.
Preciso de orientação!

Alguém... me ajude?

video

"Talking to the moon" do Bruno Mars é só uma música que tenho ouvido muito. Linda né!? Nada mais.

Bjo, bjo

0 Tirai-me Senhor, do cativeiro do meu coração

domingo, 20 de novembro de 2011
Boa tarde Blogueiros,

Ando sumida, eu sei. Sempre quero escrever, mas nunca encontro um espaço livre pra isso. Ademais, tem tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, que nem sei por onde devo começar.

Hoje, quero compartilhar um e-mail pessoal, que enviei a uma amiga em resposta a um texto que ela havia escrito e enviado anteriormente a mim. Creio que sintetiza com clareza e objetividade a tumultuosidade do meu coração atualmente.

Preciso desabafar...




Olá S*,

" Eu morro de medo de uma vida sem Deus, e morro de medo de uma vida com Deus! "

Essa, definitivamente, foi a frase mais verdadeira e real pra mim. Compartilho o mesmo sentimento.

As incertezas se tornam cada dia mais latentes pra nós.

Hoje, eu ainda me sinto em cima do muro: casar ou não casar, eis a questão... rs.

Sempre tive certeza do que eu queria para meu futuro, e sempre planejei cada um dos meus passos, até o momento em que uma decepção tão devastadora destruiu meu coração. Desde então me sinto perdida e desorientada. Sem rumo, sem prumo, sem nada. Com tanta dor e sangue pulsando dentro de mim, misturado a um sentimento de desespero, pressão, raiva, insatisfação, incerteza e muita frustração.

Mas, nesses 25 aninhos (rs) pude aprender uma valiosa lição: Maldito o homem que confia no homem.
Maldita sou, por ter confiado o meu coração, o meu amor e a minha vida a alguém que, apesar de insituí-lo "senhor e única razão do meu existir", não era Deus.

Eu me doei como nunca. Me entreguei sem reservas, sem limites, sem ponderações, sem raciocínio, sem pudores, sem nada, e olha só onde fui parar?!?!?!?

Nos últimos oito meses me transformei em alguém que não sou.
Me destruí e me reconstruí toda torta e remendada, com partes de mim ainda abertas, latentes e putréfadas.
Odeio ser a pessoa de hoje mas, infelizmente, não dá pra ser a mesma Srta. Caroline de antes.

Pensando e refletindo em tudo isso vejo que o meu "medo de uma vida com Deus", me levou a uma vida sem Ele, e as consequências dessa escolha são as piores possíveis e imagináveis.
Chego a pensar que não terei conserto ou solução, talvez, nunca mais seja feliz e sã como outrora. Todavia, no mesmo instante em que escrevo isso, me lembro que a vida com Deus é surpreendente e maravilhosa, e o amor d'Ele, manifesto na Cruz por mim e por você é capaz de transformar todo choro em riso!

Essa é minha única esperança.

Te amo muito em Cristo e sei que Deus tem um propósito especial em nos manter unidas.

Conte comigo. Eu conto com você.

Beijo!

Srta. Caroline.


Salmos 126

Quando o SENHOR trouxe do cativeiro os que voltaram a Sião, estávamos como os que sonham.
Então a nossa boca se encheu de riso e a nossa língua de cântico; então se dizia entre os gentios: Grandes coisas fez o SENHOR a estes.
Grandes coisas fez o SENHOR por nós, pelas quais estamos alegres.
Traze-nos outra vez, ó SENHOR, do cativeiro, como as correntes das águas no sul.
Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria.
Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.

Amém.

0 But I'm grown...

sábado, 5 de novembro de 2011
"All I can ever be to you,
Is a darkness that we knew
And this regret
I got accustomed to
Once it was so right
When we were at our high,
Waiting for you in the hotel at nightI knew
I hadn´t met my match
But every moment we could snatch
I don't know why
I got so attached
It's my responsibility,
And You don't owe nothing to me
But to walk away I have no capacity"

(Amy Winehouse)

video

Pois bem Blogueiros,

Mais uma decepção pra coleção.
Acho melhor não descrever os detalhes de mais um sórdido e desastroso acontecimento na vida amorosa.

Os homens, quem poderá entendê-los?

Sou fã da Amy, suas músicas são super intensas, até meio insanas e, quando se fala de destroços emocionais, ela é perfeita! rs. A forma como levou sua vida pessoal não é da minha conta. Sinto apenas, por perder uma artista singular, dona de uma voz única! Mas não é sobre a artista que venho falar, e sim, sobre mim.

"Tears Dry On Their Own" descreve com perfeição o desfecho de uma história fantasiosa, inventada e, contraditoriamente vivida, louca e compulsivamente. Meu conto de fadas iniciado na Itália, continuado no Brasil, não durou tanto quanto eu gostaria e já chegou ao fim.

Não importa, afinal:

"He walks away
The sun goes down,
He takes the day but I'm grown
And in your way
My deep shade
My tears dry"

Estou bem.

A próxima viagem já está marcada.
Comemorarei meus 26 aninhos em alto estilo!
Vou para o Caribe!!!!!!!!!!!!

Quem sabe lá, encontro um novo amor? ... hahaha.

Bjo, bjo

0 Nossa, nossa assim vc me mata!

domingo, 30 de outubro de 2011
"Desatar os nós que enlaçam atos e motivos. Fazer as coisas por impulso. Por que? Porque às vezes é bom a gente mostrar pra si mesmo quem é que manda aqui." (Martha Medeiros)

Blogueiros,

Hoje é dia de mostrar quem é que manda aqui.
Impulsividade, assim vc me mata! rs.
E pra terminar:

"Vontade: impulso cego, escuro e vigoroso, sem justiça nem sentido." (Arthur Schopenhauer)

 
video
 
 
PS:  Escolhi essa música porque "it's my song" e ela tem o dom específico de me impulsionar a fazer aquilo que tenho vontade, mesmo quando me falta coragem.
 
É hoje...
 
Bjo, bjo!

0 O que fazer?

sábado, 29 de outubro de 2011
Blogueiros,

O que fazer quando as coisas saem do controle?
O que fazer quando não se sabe o que fazer?
O que fazer para mudar um comportamento?
O que fazer para voltar a ser aquela a quem tanto aprovava?
O que fazer para ter forças e vencer aquilo que não é bom em vc?

O que fazer?

Não sei.

Será que alguém poderia me ajudar?

=/

0 Vamos conhecer as melhores vinícolas da Itália?!?

quarta-feira, 26 de outubro de 2011
Olá Blogueiros,

No mês passado circulou no site da Folha de São Paulo uma interessante reportagem sobre o mapa enoturístico da Itália, líder na produção de vinhos.

Fiquei interessadíssima! A um, pois adoro saborear um bom vinho. A dois, porquanto a região das vinícolas na Itália são famosas pela beleza, pelo clima agradável e peculiar. A três, porque não tive a oportunidade de conhecer essa parte da Itália durante a viagem que fiz no meio do ano.

Na verdade, eu poderia enumerar vários motivos para ir até lá, mas isso não é mesmo necessário.
É uma viagem que vale muito a pena. Ponto.
Abaixo, seguem algumas informações interessantes e bem simplificadas sobre a rota de vinhos. Quem sabe, em 2012 iremos até lá...



Bjo, bjo!

0 E a semana está apenas começando

segunda-feira, 24 de outubro de 2011
Boa noite,

Queria escrever muita coisa, mas peço licença para expressar a tumultuosidade dos meus pensamentos através das frases do adorável Caio Fernando Abreu e da maravilhosa Clarice Lispector.

...porque para um bom entendedor um pingo é letra.

Bjo, bjo e boa semana.


"Ando um pouco para dentro, não sei se você entende. Me fechei um pouco, de tudo. Me abri para mim, me fechei para o resto. Ainda não sei se é certo ou no que vai dar, mas garanto que estou me descobrindo um pouco."

"É só uma questão de se encontrar. Porque às vezes eu me perco e fico me procurando, e não me acho."

"Tô tirando férias, dando um tempo disso. Chega de amar, chega de me doar, chega de me doer."

"Eu preciso muito deixar acontecer o momento da renovação, trocar de pele, mudar de cor. Tenho sentido necessidades do novo, não importa o quê, mais que seja novo, nem que sejam os problemas. Preciso deixar a casa vazia para receber a nova mobília. Fazer a faxina da mente, da alma, do corpo e do coração. Demolir as ruínas e construir qualquer coisa nova, quem sabe um castelo."

"Você percebe que é forte quando se vê obrigada a desistir da pessoa que nunca imaginou ser capaz de deixar um dia."

"Supere isso. E se não puder superar, supere o vício de falar a respeito"

"A carne é fraca, a alma é safada e o diabo ainda atenta."

"Estou aceitando o fato de que algumas pessoas nasceram para sentir o amor, mas não para viver um."

"Porque a vida segue. Mas o que foi bonito fica com toda a força. Mesmo que a gente tente apagar com outras coisas bonitas ou leves, certos momentos nem o tempo apaga."

(Caio Fernando Abreu)



"Eu sou assim, quero tudo e quero agora. Uns chamam de mimada, mas eu prefiro decidida."

(Clarice Lispector)

Falar mais o quê?!?!??

Bjo, bjo e que Deus me ajude.

0 Punk...

quarta-feira, 19 de outubro de 2011
"Um dia de monja, um dia de puta, um dia de Joplin, um dia de Tereza de Calcutá, um dia de merda" (Caio Fernando de Abreu)

Blogueiros,

Minha vida está de cabeça para baixo.

Essa ansiedade por existir, por me conhecer, por ter – sentimentos, amores, desejos, coisas, pessoas... – está gerando um verdadeiro caos.

Ontem alguém me disse que o erro não se limita a pessoa que o cometeu. Seus efeitos, por vezes, catastróficos, se estendem àqueles que estão ao nosso redor.

Verdade!

Medo.

Muito medo das conseqüências dos meus atos impensados. Medo da minha impulsividade. Medo dessa pressa em viver tudo de uma única vez.

Preciso urgentemente dar um “break” na minha vida, pôr o “pé no freio” mesmo! Mas, sabe quando tudo toma uma proporção muito maior da esperada e vc simplesmente não sabe como mudar o curso da história? Da sua própria história?!?

É exatamente isso que está acontecendo comigo.

Não sei como mudar!

Não sei como parar!

Não sei como sobrestar-me!

Sinto-me “descendo ladeira a baixo”, passando irrefletidamente por todos os sinais de “PARE”, todos os avisos de “CUIDADO”, todas as “ADVERTÊNCIAS” no meio do caminho.

SOCORRO!

SOCORRO!

SOCORRO!

Preciso de socorro, preciso de auxílio, preciso de alguém que me ajude a parar antes que aconteça um desastre maior.

Misericórdia é tudo o que peço a Deus.

Muita misericórdia, livramento e graça.

Quero muito mudar a minha vida, antes que algo externo e indesejado me faça mudar.

Tenso.

Triste.

Preocupante.

Desesperador.

Esses são, definitivamente, os sentimentos de hoje. Credo.

Bjo, bjo

0 O que tiver que ser, será.

domingo, 16 de outubro de 2011
"Aos caminhos, entrego o nosso encontro. E se tiver que ser, como tem que ser, do jeito que tiver que ser, a gente volta um dia" (Caio Fernando Abreu)



Boa tarde Blogueiros,

Tive que repetir a frase do Caio Fernando Abreu porque ela é apropriada demais para a ocasião.

Mais um capítulo dessa história, que não sei ao certo se pode ser chamada "de amor", foi escrito.

Estou apaixonada.

Fato.

O beijo de despedida não teve gosto de fim, mas de incerteza.
Incerteza sobre o futuro, sobre o amanhã, sobre meus sentimentos, sobre ele...

Minha estadia em São Paulo me abriu os olhos para muitas coisas. Dia a dia me enxergo um pouco mais, e descubro que ainda não me conheço bem.

A vida é mais imprevisível que eu imaginava, e as pessoas também o são.

Conheci um lado do Paulista até então desconhecido, e adorei.

Conversamos.

O ouvi.

Era realmente incrível olhar seus olhos, ver sua íris se contraindo e ora se agigantando com as emoções. Perceber algumas verdades latentes e coisas, que ele prefere esconder. Foi bom ver seu corpo se arrepiando ao toque das minhas unhas, e o sorriso que lhe escapava quando menos esperava.

Seu cheiro, sua pele, seu cabelo, seu gosto, ainda permanecem em mim, e isso, eu não quero esquecer.

Não quero pensar em nada. Não quero planejar. Não quero criar expectativas. Não quero esperar nada. Quero apenas guardar todas as lembranças, que me são tão peculiares e especiais.

O que tiver que ser, será.
 
Bjo, bjo

0 Fé em Deus, pé na estrada

terça-feira, 11 de outubro de 2011
"Aos caminhos, entrego o nosso encontro. E se tiver que ser, como tem que ser, do jeito que tiver que ser, a gente volta um dia" (Caio Fernando Abreu)



Boa noite Blogueiros,

Os dias voaram, e num susto percebo que amanhã estarei em Sp, para uma viagem bem diferente da planejada incialmente... Mas isso já não importa mais, não é mesmo?!

Me desejem sorte, festa, risos, meu querido J. Cuervo e muito beijo na boca, daqueles de tirar o fôlego - porque tô precisando... rsrsrsrs.

Quero deixar com vcs uma música que me enviaram hoje e que achei linda demais, apesar da melancolia e tristeza preponderante: "Someone like you" da Adele. O video é legendado para facilitar a vida de quem, assim como eu, não é expert (ainda) em inglês, rs.


video

"I remember you said
Sometimes it lasts in love
But sometimes it hurts instead"
 
E como...

Bjo, bjo!!!

0 Vamos nos encontrar em Sampa?

sexta-feira, 7 de outubro de 2011
"Did you forget about me, Mr. Duplicity?
I hate to bug you in the middle of dinner
But it was a slap in the face
How quickly I was replaced
And are you thinking of me when you fuck her?

'Cause the love that you gave, that we made
Wasn't able to make it enough
For you to be open wide, no
And every time you speak her name
Does she know how you told me you'd hold me
Until you died?
'Til you died?
But you're still alive

And I'm here to remind you
Of the mess you left when you went away
It's not fair to deny me
Of the cross I bear that you gave to me
You, you, you oughta know

'Cause the joke that you laid in the bed
That was me, and I'm not going to fade as soon
As you close your eyes, and you know it
And everytime I scratch my nails
Down someone else's back,
I hope you feel it
Well, can you feel it?"

(You Oughta Know - Alanis Morissette)

 
video
 
Boa noite Blogueiros,
 
Tá, eu sei que Alanis Morissette soa meio anos 90, mas estou de fato, impressionada com a qualidade de suas músicas e sua voz sempre embriagada. Estou amando ouvir seus albúns! E o "Jagged Little Pill Acoustic" (2005) até agora, é meu preferido.
 
Ao ouvir essa canção pensei: Putz! que música é essa?! É tãããããããããããããão realista! (...). Não poderia deixar de compartilhar com vcs. Espero que gostem.
 
Semana que vem estarei em SP.
Caso algum blogueiro queira me encontrar é só mandar um e-mail. Já falei com a Tati, uma blogueira super querida, e estamos nos organizando para sairmos...
Desde já estão todos convidadíssimos!
 
Espero vcs.
 
Beeeijo e ótimo fds =]

1 Anda. Seja forte. Seja feliz. Seja uma mulher.

domingo, 2 de outubro de 2011
"Te desejo uma fé enorme.
Em qualquer coisa, não importa o quê.
Desejo esperanças novinhas em folha, todos os dias.
Tomara que a gente não desista de ser quem é por nada nem ninguém deste mundo.
Que a gente reconheça o poder do outro sem esquecer do nosso.
Que as mentiras alheias não confundam as nossas verdades, mesmo que as mentiras e as verdades sejam impermanentes.
Que friagem nenhuma seja capaz de encabular o nosso calor mais bonito.
Que, mesmo quando estivermos doendo, não percamos de vista nem de sonho a ideia da alegria.
Tomara que apesar dos apesares todos, a gente continue tendo valentia suficiente para não abrir mão de se sentir feliz.
As coisas vão dar certo.
Vai ter amor, vai ter fé, vai ter paz – se não tiver, a gente inventa.
Te quero ver feliz, te quero ver sem melancolia nenhuma.
Certo, muitas ilusões dançaram.
Mas eu me recuso a descrer absolutamente de tudo, eu faço força para manter algumas esperanças acesas, como velas (...)."
(Caio Fernando Abreu)

Olá Blogueiros,
 
Eu insisto em entender o que não se entende.
Eu fico com a "pulga atrás da orelha" e não canso de pescrutar meu coração.
Eu não lido bem com os "nãos" que a vida me dá.
Eu, irritradiça e teimosa, insisto, implico, não deixo de lado. E sabe o que isso me adianta?
NADA. Absolutamente.
 
Quanto tempo tenho perdido, quantas chances desperdiçadas, quantos amores passaram por mim e eu não vi, pelo simples fato de não desistir, de não esquecer, de não seguir em frente sem olhar para trás (olhar para trás é mesmo o meu maior problema). Eu não desisto. Nunca, nunca mesmo. Mas a vida segue. Sim, vida segue.
 
E eu? Até quando estarei perdida nesse vácuo que o amor me deixou?
Eu recebo flores, chocolates, elogios aos montes, pretendentes também... mas o que se pode fazer quando seu coração não é tocado?
 
Sou movida pela emoção, pela paixão, pela intensidade de se viver. Não sei fazer nada "por conveniência". Não sei, tampouco quero aprender a escolher "por comodidade", porque "faz bem", porque é a escolha "acertada".

Acho isso pouco. Raso e superficial. Vazio e sem sentido. Eu não sou assim e não quero nada disso para minha vida.

É horrível sentir esse medo.
Medo da infelicidade. Medo de uma vida medíocre.
Quero engolir o mundo inteiro. Ter o máximo de conhecimento. Falar várias línguas. Sentir todas as sensações e emoções. Beber todas as bebidas. Conhecer os mais diversos lugares. Quero conhecer gente. Quero gargalhar, várias vezes, por horas, dias inteiros! Quero beijar. Quero abraços longos e confortantes. Quero amar. Quero tudo, sabe?!?! Todavia, uma vida só é muito pouco para tudo isso.

Sinto uma urgência latente. Uma pressa em ser feliz. Entretanto, as coisas não acontecem na mesma velocidade do meu pensamento.

Não sei se depois de escrever tudo isso é possível chegar a alguma conclusão. Talvez, um pensamento, que compartilho com o maravilhoso escritor Caio Fernando Abreu:

"Tenho medo de já ter perdido muito tempo. Tenho medo que seja cada vez mais difícil. Tenho medo de endurecer, de me fechar, de me encarapaçar dentro de uma solidão -escudo".

Porém...

"Continue andando. Enfrente seus problemas de cara. Reaja. Vai. Tá pensando que é só você que sofre? Tá enganada. Anda menina. Para de ser infantil. A culpa não é de ninguém. Se apaixonou, agora segura. Anda. Seja forte. Seja feliz. Seja uma mulher."

Um bom domingo, cheio de chuva e reflexão...

Depois de meses de forte seca, enfim, a chuva chega em terras goianas

Bjo, bjo

0 E o que eu quero? Orientação.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011
"E é também porque sempre fui de brigar muito, meu modo é brigando. É porque sempre tento chegar pelo meu modo. É porque ainda não sei ceder. É porque no fundo eu queria amar o que eu amaria - e não o que é. É também porque eu me ofendo a toa. É porque talvez eu precise que me digam com brutalidade, pois sou muito teimosa. É porque sou muito possessiva e então me foi perguntado com alguma ironia se eu também queria o rato para mim. Talvez eu me ache delicada demais apenas porque não cometi os meus crimes. Só porque contive os meus crimes, eu me acho de amor inocente. Talvez eu tenha que chamar de “mundo” esse meu modo de ser um pouco de tudo. Eu, que sem nem ao menos ter me percorrido toda, já escolhi amar o meu contrário (…). Eu que jamais me habituarei a mim, estava querendo que o mundo não me escandalizasse. Porque eu, que de mim só consegui foi me submeter a mim mesma, pois sou tão mais inexorável do que eu, eu estava querendo me compensar de mim mesma com uma terra menos violenta que eu."

(Clarice Lispector - do Livro: Felicidade Clandestina)

Boa noite Blogueiros,

00h57min, e eu tenho tanta coisa pra falar, mas não sei por onde começar.
Acho que essa tem sido a grande dificuldade enfrentada nos últimos dias: linearidade. Ou melhor, falta dela.
Não tenho agido, pensado ou sentido linearmente, está tudo em completa desordem.

Tudojuntoemisturado#

A "tarefa" da semana, indicada pela Dra. Jolie¹ consiste justamente nisso, tentar enxergar o que eu quero agora, "que rumo devo tomar", o que é mais importante nesse momento.

O que é mais importante para mim hoje?
O trabalho. Definitivamente.
Adoro o que faço. Advogar é minha grande paixão, e quanto mais me dôo, mais recebo. Isso sim é uma relação justa! rsrsrs.

Agora, que rumo devo tomar... Bem, isso já é um pouco mais complicado.
Me sinto perdida apesar de sempre buscar orientação.
"Porque eu, que de mim só consegui foi me submeter a mim mesma, pois sou tão mais inexorável do que eu, eu estava querendo me compensar de mim mesma com uma terra menos violenta que eu", mas até então essa terra eu não encontrei.

Hoje tenho paz, mas ainda não tenho direção.
Sempre me pego relembrando. Tudo. Viagens, amor, surtos, tristezas, baladas, beijos, tentativas, frustrações, novas tentavidas, surpresas, e por assim vai.

Procuro um norte, mas não encontro. Insisto, todavia, permaneço sem respostas.

Eu queria me entender. Queria me desvendar. Às vezes, até eu, sou um mistério para mim.
Desejo tanto, quero mais ainda, sonho como nunca, idealizo, espero, luto, vejo acontecer, ou não...

Será que todo mundo é confuso assim ou somente eu???

Estou cansada. Exausta.
Estou ambígua e obscura, e não sei o que fazer ou para onde ir.

Por hora, minha cama me basta, rs. Madrugada adentro, dubiedade que não me deixa, vou ceder aos encantos do sono, não aguento mais lutar contra...

Quem sabe eu acordo com algumas sugestões?

Bjo, bjo

Obs.1 - Dra. Jolie: Para os novos e queridíssimos seguidores, esse é o codinome que uso ao me referir a minha psicóloga maravilhosa.

2 Toda escolha tem seu preço

domingo, 25 de setembro de 2011
"Não consigo molhar os pés apenas
eu mergulho e só paro quando me afogo
eu me queimo e só paro quando derreto
eu me jogo e só paro quando me param."
(Martha Medeiros)


Olá Queridos,

As palavras da Martha Medeiros, por vezes, me servem de consolo. Me identifico demais com o que ela escreve, é como uma válvula de escape para minhas inquietações.

A semana que poderia ter sido repleta de boas lembranças foi em verdade, um mar de tormento, um tsunami.

Em síntese, meu affair com o Paulista já teve o fim decretado.
Inicialmente desisti da viagem pra SP, coloquei meu ingresso para o show do Eric Clapton a venda, tentei desmarcar minhas passagens e cancelar as reservas no hotel. Tudo isso em poucas horas, depois de uma conversa engasgada e atravessada, ainda na quarta-feira, 21/09.

Sou impulsiva. Não nego, nunca neguei, tampouco me envergonho disso. Sou intensa, "não consigo molhar os pés apenas, eu mergulho e só paro quando me afogo, eu me queimo e só paro quando derreto, eu me jogo e só paro quando me param". Não sou passiva, indiferente, insossa ou coajuvante da minha própria história e não vejo problema algum em ser assim.

Eu sou assim e gosto.
A vida é minha e eu a vivo de forma entusiasta, profunda e veemente.
Gostou? Fique.
Não gostou? Vá embora.

Toda escolha tem seu preço. O meu, foi dar adeus a primeira pessoa que mexeu com minhas emoções depois do ex. Um saco, é verdade, mas foi inevitável.
O motivo? "Densidade demais".
Sinceramente, que desculpa esfarrapada hein?!

Sei que as pessoas não lidam bem com algumas posições. As minhas são muito claras, objetivas e definidas. Não sou do tipo que vive um dia após o outro como se não fosse chegar a lugar algum daqui um tempo. Eu projeto. Eu me organizo. Eu estabeleço metas e busco, com todo empenho, alcançá-las.

Não dá pra viver irrefletidamente!  (não sempre).
Nas poucas ocasiões que me pautei pelo lema "deixa a vida me levar, vida leva eu" só me dei mal. Por isso, invariavelmente, tenho em mente um plano A, B, C, D..., uma estratégia, um rumo determinado, ainda que durante o caminho ele possa sofrer alguma alteração.

Se isso é demais para quem está comigo, sorry! Cancei de me adptar às expectativas do outro, à irresponsabilidade e imaturidade alheia. Eu não tenho tempo a perder, já perdi demais. Tô correndo atrás do prejuízo, e não têm sido fácil.

Depois de horas de reflexão mudei de ideia.
Falei com minha chefe e consegui uma liberação pra ficar não apenas 2 dias em SP, mas sim, uma semana. Liguei para uma amiga, que estará lá na mesma época que eu. Badalaremos, faremos compras, conheceremos a Tera da Garoa juntas. Confirmei minhas passagens, retirei o anúncio de venda do ingresso, aumentei a quantidade de diárias no hotel e começei a olhar a programação da cidade.

O Paulista?! Qual? Ainda não conheci. Afinal, a viagem é daqui 16 dias.

Vamos aguardar.

"Quando olho para o meu passado, encontro uma mulher bem parecida comigo - por acaso, eu mesma - porém essa mulher sabia menos, conhecia menos lugares, menos emoções." (Martha Medeiros)

Dicas de eventos, espetáculos, restaurantes, baladas em SP para o final da primeira quinzena de outubro? Desde já agradeço! rs.

Boa semana queridos,

Bjo, bjo
quarta-feira, 21 de setembro de 2011
"Sou tantas que mal consigo me distinguir. Sou estrategista, batalhadora, porém traída pela comoção. Num piscar de olhos fico terna, delicada." (Martha Medeiros)

Boa noite Blogueiros,

Emoções e frisson controlado.
Mente sã e racional.
Saudade do Paulista.
Certeza das inúmeras dificuldades.

Coração aberto.
Não posso limitar o alcance dos meus olhos.
Todo dia é algo novo. Quem sabe alguém novo também?!

Alegria.
Paz.
Sorrisos despretensiosos.
Olhares, nem tanto assim...

Cansaço extremo.
Quase me vejo em completa exaustão.
Trabalho, muito trabalho. Todo dia, toda hora, a todo tempo.
Preciso de força. Inteligência. Destreza. Aptidão. Agilidade.

Hoje estou assim, com pensamentos resumidos em poucas palavras, mas pontuais.
Que a graça de Deus me alcance e Sua misericórdia também. Agora é disso que mais preciso...

Bjo, bjo

0 Fall in Love

segunda-feira, 19 de setembro de 2011
"O meu coração
Já estava aposentado
Sem nenhuma ilusão

Tinha sido maltratado
Tudo se transformou
Agora você chegou

Você que me faz feliz
Você que me faz cantar
Assim"

(Marisa Monte)

Boa tarde Blogueiros,

Novidades urgentes e felizes e intensas e inovadoras e tanta coisa junto ao mesmo tempo! rs.
A história cinematográfica continua e, melhor que o esperado.

Roma/Itália. Sp e Go, Brasil.

Passados dois meses desde que nos conhecemos em Roma, o Paulista, enfim, chegou em Terras Goianas.
O fds juntos reafirmou as suspeitas compartilhadas por ambos. Eu e Ele - química, pele, afinidades. A conversa flui. O riso é constante. O beijo... Tudo, tudo de bom!

Estou feliz e surpreendida. Meu coração se abriu outra vez e dentro dele só pulsa alegria e boas vibrações.
O Paulista me cativou, me encantou e me conquistou... Ele voltou para a Terra da Garoa e em menos de um mês estarei lá, para reencontrá-lo.

Ponte aérea Go-Sp/Sp-Go ainda irá me ver muito!

Deixo com vcs a nova música da Marisa Monte, que descreve bem o que estou sentindo agora.

Torçam por mim!
Já é tempo de ser feliz no amor outra vez.


video


Bjo, bjo!
quarta-feira, 14 de setembro de 2011
"Eu sei que não sou nada e que talvez nunca tenha tudo. Aparte isso, eu tenho em mim todos os sonhos do mundo" (Fernando Pessoa)

Contagem regressiva: Apenas 2 dias!!!!

Roma-Sp-Gyn: um novo sonho...

Bjo, bjo!

PS: Gente como viro as fotos??? Não consigo! =/

0 E se ela se afogar, se recupera.

domingo, 11 de setembro de 2011
“Lá está ela, mais uma vez. Não sei, não vou saber, não dá pra entender como ela não se cansa disso. Sabe que tudo acontece como um jogo, se é de azar ou de sorte, não dá pra prever. Ou melhor, até se pode prever, mas ela dispensa.

Acredito que essa moça, no fundo gosta dessas coisas. De se apaixonar, de se jogar num rio onde ela não sabe se consegue nadar. Ela não desiste e leva bóias. E se ela se afogar, se recupera.

Estranho é que ela já apanhou demais da vida. Essa moça tem relacionamentos estranhos, acho que ela está condicionada a ser uma pessoa substituta. E quem não é?

A gente sempre acha que é especial na vida de alguém, mas o que te garante que você não está somente servindo pra tapar buracos, servindo de curativo pras feridas antigas?

A moça…ela muito amou, ama, amará, e muito se machuca também. Porque amar também é isso, não? Dar o seu melhor pra curar outra pessoa de todos os golpes, até que ela fique bem e te deixe pra trás, fraco e sangrando. Daí você espera por alguém que venha te curar.

Às vezes esse alguém aparece, outras vezes, não. E pra ela? Por quem ela espera?

E assim, aos poucos, ela se esquece dos socos, pontapés, golpes baixos que a vida lhe deu, lhe dará.

A moça – que não era Capitu, mas também têm olhos de ressaca – levanta e segue em frente.

Não por ser forte, e sim pelo contrário… Por saber que é fraca o bastante para não conseguir ter ódio no seu coração, na sua alma, na sua essência. E ama, sabendo que vai chorar muitas vezes ainda. Afinal, foi chorando que ela, você e todos os outros, vieram ao mundo.”

(Caio Fernando Abreu)


Oi Blogueiros,

Acho que o texto dispensa maiores comentários. Acho que uma frase que representa o sentimento de hoje é a seguinte: "Estranho é que ela já apanhou demais da vida."

Apanhei e cansei. Tô cansada. Cansada das pessoas. Cansada das desilusões. Cansada de perder tempo.
Mas não sou forte, e sim fraca o bastante para não conseguir ter ódio no coração, na alma, na essência.
E é por ser assim que sempre levanto e sigo em frente.

A ordem hoje é NÃO RETROCEDER.

Não retroceder...

Bons sonhos.

Bjo, bjo

0 Vida

segunda-feira, 5 de setembro de 2011
"Já perdoei erros quase imperdoáveis,
tentei substituir pessoas insubstituíveis
e esquecer pessoas inesquecíveis.

Já fiz coisas por impulso,
já me decepcionei com pessoas
que eu nunca pensei que iriam me decepcionar,
mas também já decepcionei alguém.

Já abracei pra proteger,
já dei risada quando não podia,
fiz amigos eternos,
e amigos que eu nunca mais vi.

Amei e fui amado,
mas também já fui rejeitado,
fui amado e não amei.

Já gritei e pulei de tanta felicidade,
já vivi de amor e fiz juras eternas,
e quebrei a cara muitas vezes!

Já chorei ouvindo música e vendo fotos,
já liguei só para escutar uma voz,
me apaixonei por um sorriso,
já pensei que fosse morrer de tanta saudade
e tive medo de perder alguém especial (e acabei perdendo).

Mas vivi
E ainda vivo!
Não passo pela vida.
E você também não deveria passar!

Viva!
Bom mesmo é ir à luta com determinação,
abraçar a vida com paixão,
perder com classe
e vencer com ousadia,
porque o mundo pertence a quem se atreve
e a vida é muito para ser insignificante."

(Augusto Branco)

Boa semana!

Contagem regressiva... 10 dias!
Paulista, Paulista... Uiuiuiui! rs.

Bjo, bjo
Bom dia Blogueiros queridos do meu coração,


Minha cabeça tá a mil. Não estou raciocinando direito.
É um turbilhão de coisas acontecendo ao mesmo tempo.
Às vezes me perco em tudo isso e, não sei qual caminho devo seguir.

Acordei com o coração agitado, com uma saudade maldita... Saudade do beijo, do cheiro, dos olhos dele em mim, do toque, de estar deitada de “conchinha”, de amar tanto, tanto, mas tanto, que até doía.
Saudade dos momentos eternizados numa fração de segundos, aqueles em que o mundo não parecia existir ao nosso redor, só eu e ele. Foda.

Já não dói mais. Já não o amo mais. Mas a saudade, vez ou outra vem me importunar.

Estou levando a vida de solteira muito bem. Tenho conquistado muito. Sinto-me particularmente feliz. Amo-me e me basto, todavia, bem aos pouquinhos a necessidade de amar volta a aparecer.

Sou um ser que é todo coração e meio que dependo dos sentimentos e emoções mil para existir. Não gosto da vida neutra, insossa, sem cor e luz própria, não que isso só seja possível quando se ama, mas é que quando se ama tudo é muito diferente. Muito mesmo. Porém, já não quero mais viver assim.

Confuso né!?

Demais.

O que me assusta em tudo isso é a falta de interesse, a falta de desejo, de vontade de outro alguém. O Paulista é uma exceção, mas creio que isso ocorre tão somente pela aura inexplicável e utópica que nos une. Nada mais.

0 Ma donna mia!

domingo, 28 de agosto de 2011
Boa noite Blogueiros,

Tô meio sem inspiração.
Tenho um monte de trabalho acumulado, e simplesmente não consigo pensar, juridicamente falando.
Resolvi então, compartilhar mais um pouco da viagem que fiz pela Europa mês passado. Talvez, espairecendo um pouco, consigo trabalhar melhor, não é mesmo!?
Vou postar umas fotos da Itália, espero que gostem.

Itália



As duas últimas fotos* merecem um destaque especial. Eu e minha companheira de viagem, conhecemos dois brasileiros em Roma, um carioca e um paulista.

Adorei-os!
Passamos um tempo super agradável em Roma, que definitivamente deixou saudades... Mas, por razões diversas, tivemos alguns contratempos, e acabei perdendo o contato com os rapazes nos dias em que estava ali, mas uma impressão ficou, e uma dúvida também...

Houve algo, que não sei explicar o que é, entre eu e o Paulista (codinome perfeito, e que será utilizado para identificá-lo). Não ficamos, nem nada, mas ficou uma coisa no ar, um clima, uns olhares diferentes, me entende?

Pois bem, eis que a internet é uma benção! E, onde quer que vc esteja ela pode te ligar a outra pessoa, onde quer que ela esteja, e assim aconteceu.

Já de volta ao Brasil, eis que num belo dia abro o facebook e me deparo com uma msg do dito cujo! hahaha. Nem acreditei no que li. Foi um turbilhão de pensamentos e emoções, coisa mais louca... rs.
Começamos a conversar pelo face, depois pelo msn. E para minha surpresa, a impressão causada em Roma não foi só minha... rs.

Passados dias de conversas decidimos nos encontrar aqui no Brasil.
Passagens compras. Pra ambos.
Agora em setembro o Paulista vem me ver, e em outubro é minha vez de encontrá-lo...

Confesso que isso tudo soa meio irracional e improvável, mas e daí!? Qual o problema?! Afinal de contas, não temos nada a perder, só a ganhar. Decidimos pagar pra ver e agora, é só esperar. Em menos de três semanas ele chega, e cerca de um mês após sua vinda, eu vou.

Ainda que não dê em nada, já me sinto feliz por estar novamente interessada em alguém, experimentando aquele friozinho na barriga, a ansiedade pela chegada do outro, a curiosidade, o riso preso e disfarçado, o salivar por um beijo novo, enfim...

Pra terminar o post deixo uma frase que gosto muito, e super apropriada para a situação noticiada acima (adEvogada, adEvogada, hahahaha):

"E de surpresa em surpresa, o inesperado. E quando o inesperado lhe sorri, como não lhe sorrir de volta?" (Camila Custodio)

E então, o que acham de minha mais nova aventura?!??! rsrs.

Bjo, bjo e uma excelente semana pra vc!

OBS: Retirei as fotos com a companheira de viagem, o carioca e o paulista por motivos um tanto quanto óbvios: exposição de pessoas que não sabem da existência do blog. Me expor, tudo bem, os outros, nem tanto... Uma pena, é verdade, mas é por prudência.

0 Semaninha animada

sábado, 27 de agosto de 2011
Olá Blogueiros,

A semana foi animada e levemente sensual... E como valeu a pena! rsrsrs.

Segunda-feira

Caipirinha
  
Terça-feira

Suco de frutas

Quarta-feira

Champagne

Quinta-feira
Querido José Cuervo
                                                                   
Sexta-feira

Taça de vodka com frutas

Ao tchêtchêtchê!!!
Isso é o que eu chamo de animação... rsrsrs.
Quero ver como será o sábado e o domingo! rs

Bjo, bjo e muita festa galera!


0 Nada como o tempo

sábado, 20 de agosto de 2011
"O tempo é o mais sábio dos conselheiros" (Plutarco)

Boa noite queridos,

É sábado a noite, mas a gripe me deixa mal pela segunda semana consecutiva e não dá pra sair de casa assim, bom pra descansar, pra recuperar as energias integralmente utilizadas durante a semana punk e agitada, que teve direito a novas amizades - uns franceses em intercâmbio no Brasil, uiuiuiui! hahaha.

Tô meio mal fisicamente, mas alegre e radiante no coração.

Plutarco estava certo.
O tempo queridos, é o mais sábio dos conselheiros e, definitivamente, é a melhor coisa que existe. Ele ajusta tudo na vida, e dia a dia posso ver tudo com calma e mais clareza.

Tá certo que o tempo em si mesmo não é milagreiro, mas aliado a outros fatores vira uma fórmula mágica! rs. No meu caso o tempo, a terapia, a viagem dos sonhos, os amigos, a família, um novo curso, e especialmente Deus, transformaram muito minha realidade.
O tempo me fez ver que o amor é importante a medida que eu me amo. Eu me redescobri. Me reinventei. Me fiz de novo. Me encontrei.

Agora, com paz no coração, a cabeça no lugar, posso escolher o que é melhor pra mim. Ter a "sorte" e, principalmente, o poder de decisão sobre "um amor tranqüilo com sabor de fruta mordida".


video

Quero sim matar a sede na saliva, mas nada destrutivo ou devastador. Quero romancear, quero lisongeios, quero conquista, quero um cavalheiro, quero surpresas, várias surpresas...

... e assim caminho dia após dia. Surpreendida pela vida e por tantas coisas boas que ainda podem acontecer. Que eu esteja pronta para cada uma delas!

Alegria seja bem vinda! Não deixe mais esse lugar, que é todo seu...

Bjo, bjo

1 Desconhecido

quarta-feira, 17 de agosto de 2011
"Ninguém se apaixona por escolha, mas por acaso. Ninguém permanece apaixonado por acaso, é um esforço diário. E ninguém se desapaixona por acaso, É UMA ESCOLHA."

Boa noite Blogueiros,

Tudo bem?

Vez ou outra gosto de compartilhar com vcs bons textos que leio, e hoje é dia de elogiar a Mah Silveira, dona do blog Fragmentos da Mah.

Esse texto foi publicado no começo do ano, mas acho super válido postar aqui. Indico o blog que é recheado de posts sinceros, repletos de emoção e super autenticos.

Parabéns Mah! E blogueiros, espero que gostem.

 "DESCONHECIDO 
Ele não tinha o direito de lhe fazer chorar. Nem sequer bateu na porta, não pediu licença para entrar e ainda roubou o seu bem mais precioso. Quem é ele que trouxe consigo o sofrimento, o poder de destruir os sonhos? De subestimar a razão? Quem é ele?

Falavam que era bonito, que enchia os olhos d'água e os lábios de ternura. Diziam que ele até conseguia mudar a pessoa para sempre e que assim, ela não conseguiria mais viver sem tê-lo por perto. Chegaram a definí-lo inclusive, como insubstituível!

Quando chegou, à primeira vista, realmente era tudo aquilo que ouvira falar e mais um pouco. Era encantador... Causava suspiros por onde passava, mas tinha um certo mistério, até então, não desvendável.

Ele foi conquistando o seu espaço e todos que estavam a sua volta. Era incrível a paz que transmitia, o carinho, a confiança, a alegria... Seus jeitos e trejeitos eram sinônimos de beleza. O que mais querer? O que mais desejar?

Mas com o tempo, ou do dia para noite, ou por questões de segundos, sem perceber, ele mudou. Mudou como nunca se imaginou, como nunca se esperou... Tornou-se insuportável!

Começou a machucar quem lhe queria bem, a ferir sem nenhuma compaixão. Não pensou em ninguém, a não ser em si mesmo. Não quis ir embora mesmo quando se implorava pela sua saída e também não deixou ir... Aprisionou, torturou, magoou enquanto tinha força.

Quando não esperava reação, ainda com muita dor, conseguiu expulsá-lo. Colocou para fora aquele que tanto a fazia mal e estava determinada a nunca mais aceitá-lo de volta, nem que para isso fosse necessário abrir mão de sua felicidade.
Ao jogar suas coisas pela janela, ainda teve coragem de gritar e perguntar qual o verdadeiro nome daquele desconhecido tão próximo, e, ao ouvir a resposta, decepcionou-se ainda mais. Descobriu que quem lhe causou tamanha desilusão, na verdade, se chamava Amor."
Putz! Adoro esse texto! Leio e releio mil vezes e não me canso de elogiar. Parabéns Mah! Vc arrasa!

Não se esqueçam de visitar o blog da Mah Silveira que é show!!!

Bjo, bjo

1 Consciência da morte e a lucidez

domingo, 14 de agosto de 2011
"A consciência da morte nos dá uma maravilhosa lucidez. (...) O fato é que, sem que o saibamos, todos nós estamos enfermos de morte e é preciso viver a vida com sabedoria para que ela, a vida, não seja estragada pela loucura que nos cerca." (Rubem Alves)

Olá Blogueiros,

Apesar do atual estado "zen" de espírito, tenho vivido dias de constantes oscilações, o que me faz repensar muito minha vida.

Crescer dói.

Descobrir algumas verdades que vc se nega a crer, dói ainda mais.

As pessoas mentem, e mentem o tempo todo. Juro que isso não entra na minha cabeça.
Oras, porque mentir? Pra quê enganar? Pra quê vestir uma máscara, a fim de burlar seu próprio eu?
Que tipo de pessoa é vc que não tem coragem, nem mesmo, de se enfrentar? De se olhar no espelho?

Gente, como pode ser isso?

Sei lá...
Sempre aprendi a dizer a verdade, a assumir as consequências, a ser sincera e leal, mas que praga é essa que me rogaram e que só me traz pessoas falsas, mesquinhas, egoístas, mentirosas e hipócritas?

E o pior de tudo: como é que me deixo enganar?
Por acaso existe algum sensor, um alerta, um alarme que soa quando pessoas ruins, do tipo "lobo em pele de cordeiro" se aproximam?

Existe?!

Se houver, EU QUERO! Quero comprar logo uma penca dessa parafernália preventiva, isso sim.

Comecei a ler "Variações sobre o prazer" de Rubem Alves essa semana, e estou amando. A citação de hoje, foi extraída justamente desse livro.


Gosto de ler, e quando vejo e sinto minh'alma conversando com o autor, gosto ainda mais, e com Rubem Alves não tem sido diferente.

A ideia da "consciência da morte" vinculada diretamente a "lucidez" é algo desafiador. E como mencionado alhures,  o fato é que, sem que o saibamos, todos nós estamos enfermos de morte e é preciso viver a vida com sabedoria para que ela, a vida, não seja estragada pela loucura que nos cerca.

A loucura que nos cerca, nos adoece. Nos mata, paulatina e sutilmente e eu não quero mais viver assim.


Quero ter consciência da morte, para dar valor somente ao que importa, para aproveitar melhor o meu tempo e me dedicar àquilo e, àqueles, que são essenciais.

A vida não é fácil e as pessoas, são quase impossíveis, mas não vale a pena viver pensando e sofrendo invariavelmente por isso.

Tô tentando mudar.

Tô tentando me libertar das dores e decepções.

Eu só quero viver minha vida com sabedoria, a fim de evitar a ruína pela loucura que me cerca.

Sabedoria amigos, para todos nós.

Bjo, bjo

2 Confusão...

sexta-feira, 12 de agosto de 2011
“Hoje não escondo nada do que sinto e penso, e às vezes também sofro com isso, mas ao menos não compactuo mais com um tipo de silêncio nocivo: o silêncio que tortura o outro, que confunde, o silêncio a fim de manter o poder num relacionamento." (Martha Medeiros)

Oi de novo Blogueiros,

Dois posts no mesmo dia. Eu sei.
Sinal de tormenta e loucura.
Como se fosse novidade me sentir assim...

Acordei com vontade de amar.
Com vontade de ser amada outra vez.
Com vontade de acreditar que é possível acontecer de novo, e agora, do “jeito certo”.
Será mesmo possível?
Será que existe “certo x errado” no amor?

Acordei cheia de tantas vontades, medos e desejos.

Não, não estou com ninguém (até porque me soava como afronta, uma mutilação, uma invasão de mim e eu não me sentia - e ainda não me sinto -, pronta pra isso de novo).

Não sei por que, mas de um tempo pra cá os pretendentes estão brotando alucinadamente, rs, e querendo compromisso, namoro, casório, tudo (rsrs)! Tudo o que sempre procurei, mas que agora desprezo, afasto, afugento, corro em sentido oposto, em total desespero e não olho pra trás.

Como pode ser isso?

Fico impressionada em como uma desilusão nos mata, mesmo nos deixando vivos, mas como diz a querida Martha Medeiros: "Despedir-se de um amor é despedir-se de si mesmo. É o arremate de uma história que terminou, externamente, sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro da gente."

Sinto que o amor passado, bem... é passado. Não está mais dentro de mim, por mais que algumas vezes ele queira dar a impressão que ainda existe, digo e afirmo sempre, que é mentira! E que agora o meu coração é meu de novo.

Ocorre que essa semana tive um encontro que mexeu demais comigo. Tanto, que estou “incomodada”, o que me fez voltar a escrever compulsivamente no blog.

Quem é ele?

Bem... é meu “Primeiro Amor”.

Um amor da adolescência, com quem quase me casei (mesmo!), com quem convivi alguns anos e hoje continua sendo um importante e querido amigo. Estranho né?!

Fato é que nunca nos desligamos por completo um do outro.

Afastamo-nos, especialmente enquanto eu namorava. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa, rs. Afinal, como se explica esse tipo de relação pra um namorado atual? Não dá pra entender. Eu não entenderia, e também não gostaria.

Também não “ficamos” desde o término, que aconteceu há pouco mais de 03 anos. Só que agora, com essa reaproximação, sinto-me ligeiramente confusa...

My “First Love” é uma pessoa incrível. Nunca conheci alguém que fosse a metade do que ele é. E ele é, exatamente, o “meu tipo”. Em tudo.

Talvez vc possa me perguntar: “Mas porque vcs não voltam? Por que não tentam outra vez?”

Sinceramente eu não sei.

Parece que não tem clima.
Somos tão amigos.
Não conversamos sobre “nós”, até porque não existe “nós” há muito tempo...
Existe um carinho, um afeto, um querer bem único, mas “só”.

Enfim...
Não sei como terminar o post. Então vou terminar assim mesmo, deixando a questão em aberto... Até porque, eu não tenho solução ou um final pra isso.

“É confuso. Tudo que sinto é enorme e ao mesmo tempo me faz sentir pequena. A solidão é gigantesca e me faz sentir mínima” (Martha Medeiros)

Bjo, bjo

0 Depois, não adianta reclamar

Olá queridos,

Uma amiga me mandou esse texto, porque viu "certa semelhança" nos fatos ali descritos.
Postar aqui seria então, inevitável.

Os homens reclamam muito da mulherada, mas não vêem que são os responsáveis diretos pelo novo comportamento.

É mon chèr, vc precisa entender e assumir as consequências dos seus atos. Uma vez que vc destrói por inteiro o coração de uma mulher, ela, mais cedo ou mais tarde, vai mandar tudo a puta que pariu mesmo, e com razão.

Depois, não adianta reclamar.


RELATO DE UM HOMEM

"Tudo bem..queremos meninas legais, sexy, saradas, bonitas, inteligentes e boazinhas. Muito fácil falar, pois quando aparece uma assim, de bandeja, a primeira coisa que a gente pensa é: Oba, me dei bem. Ficamos com elas uma vez, duas. Começamos a pensar que essa é a mulher que nossas mães gostariam de ter como noras. Se sair um relacionamento, vai ser uma relação estável. Você vai buscá-la na faculdade, vocês vão ao cinema, num barzinho, vai ter sexo toda semana...Tudo básico, até virar uma rotina sem graça.

Você vai olhar os caras bem vestidos e bem humorados indo pra noite arrasar com a mulherada e vai morrer de inveja. Vai sentir falta de dar aquelas cantadas infalíveis na noite, falta de dar umas olhadas pra uma gata, ou de dar aquela dançadinha mais provocativa na pista...

Você pensa: Acho que não estou pronto pra isso, pra me enclausurar pro resto da vida nesse relacionamento. E a boa menina se transforma numa MALA, e aos poucos vai surgindo um nojo dela, uma aversão. Quando você vê o nome dela no celular, não dá vontade de atender... JÁ ERA. Daí aquela promessa de vida estável vai por água abaixo, se a menina não se dá conta, a gente começa a ser grosso, muito grosso. E a pobre menina pensa: O que eu fiz?? Coitada, ela não fez nada, a culpa é nossa mesmo.

Aí, a gente volta pra nossa vidinha, que a gente odiava até semanas atrás. A gente não vê a hora de sair e arrasar na noite ou pegar aquela mulher gostosona que sempre quisemos.

GRANDE DESILUSÃO. Você chega em casa depois da balada, sozinho e fica tentando descobrir porque você não está satisfeito. De repente foi porque a menina da night, a linda, gostosa, misteriosa, fico contigo, mas nem sequer pediu o número do teu telefone.

FRUSTAÇÃO. Daí, por mais que não queira, você pensa na sua menina boazinha que você deixou pra trás, ela podia ter seus defeitos mas era uma menina legal, que ficaria ao seu lado te dando valor. Enquanto isso a boa menina, chateada, lesada, custa a entender o que ela fez pra ter te afastado dela... daí essa dúvida vira ANGÚSTIA, que vira RAIVA. Daí, a menina manda tudo a PUTA QUE PARIU!!!

Não quer mais saber de nada, só de sair, zuar, dançar e beijar outros caras!! Resolve não se envolver mais, pra não sair lesada ou chateada. Muito bem! Acabamos de criar uma MONSTRA...O tempo passa e a gente continua na mesma, volta a reclamar da vida e das mulheres. Elas só querem as coisas com homens cachorros e não estão nem aí pra nós ou será que nós é que fomos os cachorros ????

Elas são assim por culpa nossa. A mulher da night de hoje, era a boa menina de outro homem ontem, e assim sucessivamente. Provavelmente essa nossa ex-boa menina, deve estar enlouquecendo a cabeça de outro homem por aí. Eu a perdi pra sempre, ela virou uma mulher enlouquecedora e a encontrei na balada e ela???

Nem olhou pra mim, mas estava mais linda do que nunca."
Pra finalizar, deixo o link de uma música que gosto muito: O Sol - Jota Quest. Não postei o video pq o programa que utilizo está com problemas, mas logo logo ajeito isso. Só destaco o seguinte:

"Ei, dor eu não te escuto mais
Você não me leva a nada
Ei, medo eu não te escuto mais
Você não me leva a nada

E se quiser saber
Pra onde eu vou
Pra onde tenha Sol
É pra lá que eu vou"

Bjo, bjo e boa sexta!