A dor de amar

sábado, 5 de março de 2011
É uma droga amar.
É uma droga se iludir sobre o amor, sobre alguém, sobre um futuro que não vai existir.
É queridos blogueiros, namoro acabado.

Na última semana, reclamei um monte do namoro, de como estava sendo preterida e coisas do tipo.
Saí, viajei, fui pra um cruzeiro com uma amiga, que a propósito foi maravilhoso! Me distrai, tentei esquecer os problemas, tirei milhões de fotos, fiz um mergulho em Angra dos Reis (um sonho) e voltei, sabendo que enfrentaria mais uma briga, mas que no fim nos entenderíamos.

Pensei errado.

Cheguei aqui e nada do (ex) namorado falar comigo. Passou um dia, dois dias e nada. Completaram sete dias sem nos falarmos, e pensei comigo mesma: o que está acontecendo? o que ele pretende com esse silêncio? será que ele quer terminar?

Enfim, fiz um monte de suposições, e cansada de esperar uma atitude dele, resolvi o procurar.

Grande estupidez.

Ele, mantendo a postura de indiferença e superioridade afirmou que a única coisa que queria fazer era continuar com sua aula, eu que esperasse sua boa vontade em me procurar, quando tivesse um tempo.

Surtei de raiva! Surtei mesmo.

Sai no facebook, orkut, blá blá blá, apagando todas as fotos juntos, recados, depoimentos, e mudei o status de relacionamento. Não coloquei "solteira", deixei como "indefinido".

Caí em prantos no escritório, um vexame. Minha chefe foi até lá ver o que tava acontecendo, e eu chorando contei tudo. Ela me abraçou e me disse, que eu não poderia fazer mais nada, afinal, ele já havia deixado claro que não queria continuar o namoro.

Recuperei o fôlego e liguei pra ele. Perguntei como estávamos, que não queria ficar nessa situação indefinida, e pra minha surpresa ele disse que eu já havia tomado a minha decisão e terminado o namoro.

Eu: ãh???? como é que é???? eu não terminei nada! Ficamos discutindo por telefone, até ouvir com todas as letras que ele não queria mais continuar o namoro.

Foi o fim.

Era como se o tempo tivesse parado, congelado, eu não sentia o chão sob meus pés, meu "mundo" desmoronou e não havia onde me segurar.

Tive uma crise nervosa. Passei o dia inteiro chorando copiosamente, repassando tudo na minha cabeça e sem entender nada. Não me dava por satisfeita. Fui atrás dele.

Ele não queria falar comigo, não queria me ver, queria que eu sumisse, mas eu precisava ouvir que ele não me queria, olhando nos olhos dele.

Gente que vexame! Eu nunca me humilhei tanto pra alguém. Nunca.
Eu implorei, implorei pelo amor de Deus, implorei por tudo, prometi fazer o que fosse preciso pra ficar com ele, que eu não conseguiria viver sem ele, que ele era o amor da minha vida, o homem que havia escolhido pra viver o "para sempre".

Perdi minha dignidade, meu amor próprio, não me importei com a humilhação, com o desprezo, com a indiferença, não me importei com nada. Eu o amo, o amo mais que tudo nessa vida, mas foi inútil, completamente inútil.

Ele sequer encostou em mim. Foi de uma frieza, de uma crueldade tão grande. Me ofendeu tanto, falou tanta coisa, me feriu, me magoou, me pisou, me menosprezou. Foi horrível. Horrível.
Mas eu não conseguia ir embora, não conseguia deixá-lo ir. Não conseguia acreditar que era o fim. Demorei tantos anos pra amar de novo. Demorei tanto pra encontrar alguém que eu poderia confiar meu coração, meus sonhos, minha vida e foi tudo inútil, foi uma grande perda de tempo, foi uma grande ilusão.

Ele só dizia que queria ir embora, que eu era um problema na vida dele, que precisava de paz, que eu era má, e que ele não queria casar, que não queria esse tipo de relacionamento, e que estava vivendo uma fase diferente da minha.

Meu coração foi completamente despedaçado! Ele não poupou palavras, ofensas, crueldade e eu ali mendigando o amor de quem já não mais me amava.

Eu me humilhei tanto, tanto. Ele foi embora e eu fiquei ligando, a ponto dele não mais me atender.

Tive um surto nervoso. Sério. Não conseguia parar de chorar, de lamentar, sem me importar com nada do que eu havia ouvido. Cheguei em casa um caco. Fui pro colo da minha mãe e a fiz dormir comigo, porque eu não conseguia raciocinar direito e não queria ficar só.

Um caos.

Era o fim de um namoro, era o fim de uma grande ilusão e eu experimentava novamente a dor de amar. Foi no dia 03.03.2011.

Acordei acabada, mas já não chorei. Tentei ocupar minha cabeça ao máximo, não queria pensar nele e em nada do que havia acontecido. Consegui vencer a sexta-feira.

Porém hoje, sábado, 05.03, acordei em prantos, com essa dor avassaladora no peito, o nó na garganta e o sentimento de perda que toma conta de mim.

Por pior que tenha sido o término, eu só consigo pensar no amor que tenho por ele, o quanto o desejo, o quanto o quero, não importa como for. Não consigo entender essa rejeição, o desprezo, a indiferença e o mau querer dele.

Por isso, termino o post assim, cheia de dor e dúvidas. Com vontade de arrancar essa dor no peito, arrancar esse amor de dentro de mim, arrancá-lo por completo e viver outra vez.

O amo demais, mas não posso viver assim. Ele não me quer. Ele não me ama. Ele não se importa. Ele já se esqueceu de tudo, de toda a entrega, de todos sonhos, planos, do amor e eu não posso continuar mendigando assim. Não vale a pena.

Me desejem sorte. Me deem dicas, conselhos, qualquer coisa que me faça esquecer.

Eu preciso continuar a viver.

Acho que minha sina é ser só, sem amor, sem ninguém, seca e vazia. Por mais que eu lute contra isso, sempre acabo de mãos dadas com a solidão.

Sim, de mãos dadas com a solidão.

9 comentários:

Celma Says:
5 de março de 2011 16:24

Olá Sara :P
Passei por tudo isso que vc descreveu, igualzinho e posso te afirmar que a gente nao morre com esta dor (apesar de achar que sim). Vai passar e vc logo terá paz e nao sentirá nenhuma dor e verá quem perdeu foi ele. Garota linda, inteligente. Não era pra ser. Coisa muito melhor virá pra vc pode crer. Um bjinho e adorei seu blog. Parabéns!!

Sara Caroline Says:
6 de março de 2011 08:32

Bom dia Celma! Obrigada pelas palavras, elas trouxeram conforto ao meu coração. Espero que passe logo essa dor, pq é difícil demais suportá-la. Bjo e bom feriado!

Pois é . . . Says:
10 de março de 2011 11:18

Oie Sara,
Eu estou passando por uma situação muito parecida com a sua...um pouco mais contida (pois eu sou muito orgulhosa)...mas a sensação é a mesma! Gostaria de te falar que, por mais difícil e cruel que este momento possa ser, você tem que tentar tirar uma lição dessa experiência. As lições que eu tirei são: 1 - O número 1 da minha lista de prioridades sou EU...
2 - Uma pessoa que não vê o quanto eu sou maravilhosa... não merece a minha dedicação, minha atenção, muito menos o meu amor!
Sempre se lembre dessas lições... e não deixe que ninguém mais te desrespeite do jeito que esse cara fez! Você merece coisa muito melhor...e acredite...tem coisa muito melhor por aí!
Se preocupe apenas em se recuperar...na hora certa...alguém digno de você vai aparecer...

Sara Caroline Says:
11 de março de 2011 17:17

Amém!
Obrigado!
Hoje vejo, mesmo que com dificuldade a realidade de tudo o que disse.
De fato, mereço alguém que me ame, me respeite e me trate com dignidade. Com o ex isso já acabou e há tempos...
Na hora certa tudo se acerta.

Abração! e mais uma vez, obrigada.

Gabi Says:
11 de março de 2011 18:52

Que bom que voce gostou da mensagem (eu deixei como: Pois e...)!

Espero que vc jah esteja melhor...

Eu vim te convidar pra visitar o meu Blog... comecei tem pouco tempo...acho que pra ajudar a superar o fim do meu relacionamento...enfim... da uma passada la!

Beijao

P.S.:http://gabriellamoreschi.blogspot.com/

marcela Says:
13 de março de 2011 05:29

bom dia, sou carlos e digo o termino e dificil passei por isso, mas meu orgulho não faz procura-la, eu digo o tempo passa e passa a amanha e outro dia, hoje trato minha ex com desprezo e frieza, desde que acabamos nunca pedi pra voltar ou coisa assim, pois nao ia resolver, ontem ela me ligou e encontrou o homem mais frio e distante, faça so uma coisa o silencio, fique queta e deixe o tempo passar um dia esse coitado vai bater a sua porta ou dar o valor que vc merece, a sua historia lembra a minha dedicação nao reconhecida, lembre dessas palavras: "um dia voca vai fazer muita falta", e vão te querer te dar valor ai e voce que decide o fim da historia, força.

Sara Caroline Says:
13 de março de 2011 17:26

Oi Gabi! Li seu blog e sou a 1ª seguidora =]
Fico super feliz sempre que alguém decide me seguir, me dá forças pra continuar escrevendo. Depois quero te pedir uns conselhos... Vi que é mãe (parabéns) e bem, uma amiga acabou de engravidar, nd planejado, um caos! e quero ajudá-la nesse momento... Já fui com ela na gine e não sei bem o que fazer ou como ajudar. Ela tá de 1 mês, algumas dicas? BjO

Sara Caroline Says:
13 de março de 2011 17:37

Oi Carlos!
Bem, fria?
Nunca consegui ser, infelizmente =/
Sou do tipo que dá a cara a tapa e prefere ouvir o outro dizer que não me quer, com tds as letras, ao ficar imaginando que poderia ser diferente se eu fisesse algo.
Sofro mais, é verdade, mas fico de consciência limpa.
Superar? é questão de decisão e tempo.
Ainda não sei se decidi esquecê-lo, mas o tempo já tem ajudado.
Obrigado pelo post =]
Dicas, conselhos e td mais é sempre bem vindo.

Bjo, bjo

Ácidas e Doces Says:
15 de abril de 2011 15:02

Eu espero que esta fase tenha acabado e que eu tenha chegado tarde demais neste blog. Caso contrário precisaremos de uma operação para reverter estas atitudes e curar este coração!
Beijo e forte abraço
Kézia